Suor Aparecida, missionaria nel Parà con suor Luzia da giugno 2015, ci aggiorna sulla loro esperienza pastorale. Il lavoro quotidiano, gli incontri, le contraddizioni e il cammino del popolo nelle zone più periferiche e abbandonate.  

Dopo la festa del Santo Patrono, raccontata nella cronaca precedente, e dopo due mesi di permanenza nel Parà cominciamo ad organizzare il nostro ritmo di vita. Abbiamo iniziato la settimana scorsa il progetto nell’area pastorale che ci è stata affidata: sono cinque comunità, due delle quali devono ancora nascere. Da poco è nato un piccolo gruppo, nucleo di  una futura “comunità di base”. C’è bisogno di formare delle equipe e dei responsabili pastorali.

Abbiamo iniziato le visite nei quartieri più poveri, senza strutture sanitarie, senza luce, e senza acqua. Mancano anche le strade e diventa difficile raggiungere alcune zone più interne. La stessa situazione però la si trova anche nelle città, dove molte famiglie si trasferiscono dalle zone periferiche alla ricerca di migliori condizioni di vita e opportunità di studio e lavoro. L’accesso allo studio nelle zone interne è difficile. Quando la scuola c’è, è un’impresa raggiungerla. La vita degli insegnanti delle regioni lungo il fiume è molto dura: rimangono fuori casa tutta la settimana, dormono e vivono in situazioni di fortuna e precarie.

Camminando per le vie del quartiere: quanti bambini! …Quanti giovani! Si sente la necessità di un progetto sociale e pastorale per tenerli lontano dal crimine e dalla malavita, che avanza anche qui. E si avverte la necessità di una formazione religiosa: tutta la bellezza vissuta nei giorni della festa di S. Antonio questo popolo della periferia non la conosce affatto. Vivono letteralmente ai margini. Qui ho sentito forte l’appello del papa: “Una Chiesa in uscita, andando incontro alle periferie esistenziali”.

Il 6 settembre faremo incontro di formazione con i leaders pastorali delle cinque comunità. In questa settimana avremo anche il nostro primo incontro vocazionale. Stiamo in fase organizzativa per quanto riguarda la pastorale della salute, per rispondere alle necessità dei malati negli ospedali e nelle case. La catechesi dei bambini esiste già in alcune zone, ma bisogna impiantarla in altre. La maggiore difficoltà sono i costi della barca e della benzina per raggiungere tutte le realtà, a volte molto distanti, su strade impraticabili.

Chiediamo al Signore che mandi il suo Spirito per svegliare le coscienze dei grandi della terra che sperperano tante risorse, mentre qui tanta gente vive ai limiti di una vita dignitosa.

suor Cida

 

TESTO IN PORTOGHESE

Já fazem dois meses que estamos no chão do nosso Pará. Depois das festas do Padroeiro começamos a organizar nosso ritmo de vida. Iniciamos desde a semana passada nosso projeto com a área de pastoral que nos foi designada: são cinco comunidades, das quais uma ainda é um embrião, começou a pouco com um pequeno grupo, uma CEBS; uma outra comunidade com pouca experiência de caminhada, comparada a uma criança que começa a caminhar; as outras três já tem anos de caminhada, mas enfrenta dificuldades na formação das lideranças, algumas das quais ainda não tem uma boa equipe de coordenação. A área é muito vasta. Começamos as visitas nos bairros mais pobres: sem saneamento básico, a energia é feita a “gato” e água também é um problema. Aqui a terra é basicamente AREIA, muita areia. Com o carro conseguimos chegar até a determinado ponto, depois fica difícil, devido à má formação das ruas, muito buraco e muito lixo. Começamos nossas visitas pelas 16h00 e seguimos até às 20h00 quando então participamos do terço em alguma casa. À noite a iluminação é bastante precária, onde tem. Ontem foi até interessante: não dava pra continuar a estrada e praticamente não sabíamos direito onde deixar o carro. Um senhor que estava construindo sua casinha de alvenaria, viu nosso embaraço e ficou olhando com interesse, dissemos que estávamos meio perdidas e colocamos a situação… ele prontamente disse, deixe o carro aqui, irmã, nós olhamos pra vocês. Alí fizemos nossa primeira visita. Ele católico, a esposa da Assembléia de Deus, mas muito acolhedora. A filha mais velha do casal é deficiente, mas entende tudo, vocês não imaginam a alegria desta jovem de 31 anos quando nos viu: saltava de alegria na rede quando brincávamos com ela.

 

Parece incrível, mas embora estejamos no ano 2015 famílias e famílias ainda vivem com aqueles banheiros de privadas antiga, com um buraco no chão e um pequeno quadrado acima da fossa, circundado por um pouco de madeiras. Me lembrei tanto de quando era criança, quando ia na casa da minha tia e eu morria de pavor de cair alí dentro! Quantos pesadelos à noite, como se eu ou meus irmãos estivessem caindo lá dentro!!! Penso nas crianças de hoje, se também elas vivem os mesmos temores que eu vivia ha 50 anos atrás. No interior encontramos a mesma coisa, mas confesso que não esperava que na cidade encontrasse também esta realidade. Uma boa parte da área que nos é reservada é fruto de uma invasão desse pessoal que vem do interior, procurando condições melhores de estudo para os filhos, pois no interior (ribeirinhos) é difícil acesso à escola. Aonde existe alguma sede escolar, às vezes fica difícil chegar até lá. A vida dos professores também não é fácil: aqueles que são designados para os ribeirinhos ficam a semana inteira fora de casa, dormindo e vivendo em condições bastante precárias.

Andando aqui pelas ruas do bairro, quanta criança!!!  Quantos jovens!!!  Se sente de imediato a necessidade de um projeto para mantê-los longe do mundo do crime… que já está avançando bem também por aqui. A carência de formação religiosa nesses bairros é muito grande: toda aquela beleza vivida nos dias de festa do padroeiro, praticamente esse povo das periferias nem conhecem, não se aproximam… vivem literalmente à margem. Aqui senti forte o apelo do Papa: “uma Igreja em saída, indo ao encontro das periferias existenciais”: muita gente até sem Batismo! Que mundo contraditório o nosso!!!

No dia 06 de setembro faremos um encontro de formação para as lideranças já existentes nas cinco comunidades. Rezem para que o encontro tenha bom êxito.

 

Estamos também em fase de organização da Pastoral da Saúde para atender as necessidades dos doentes no hospital e nas casas, como também da Pastoral da Criança, que já existe mas precisa de reforço e maior organização para chegar também aos ribeirinhos. A dificuldade maior é o barco e o combustível. Imaginem que existem áreas, como aquela do rapazinho que contei da outra vez, que para chegar lá se gasta mais ou menos R$200,00 de combustível! E esta comunidade ainda não é tão longe!

Peçamos ao Senhor que envie o seu Espírito para despertar a consciência dos grandes da terra, que desperdiçam tanto dinheiro com banalidades e luxos desenfreados, enquanto tanta gente vive à margem de uma vida digna.

Neste final de semana faremos o nosso 1º DEVOC. Rezem por nós! E no Domingo as Catequistas da Paróquia virão fazer um churrasco no fundo do nosso quintal. Depois contamos tudo. Deixo vocês por aqui e continuemos unidos e unidas em oração.

Cida

Aggiungi commento

Inviando un commento accetti le politiche di privacy di piccolemissionarie.org
Informativa sulla privacy


Codice di sicurezza
Aggiorna